Uma em cada 6 mulheres pede demissão após sofrer assédio sexual no trabalho

Assédio sexual no trabalho

Segundo pesquisa inédita criada pelo LinkedIn e Think Eva mulheres pedem demissão após sofrer abuso sexual no trabalho.

Apenas 5% das vítimas procura o RH para denúncia.

Silêncio… Essa é a principal reação das vítimas de assédio sexual tanto no trabalho quanto na internet. Apenas 5% das mulheres recorre ao RH das empresas para reportar um caso. Metade delas divide o ocorrido somente com pessoas próximas e 33% não fazem nada.

O baixo índice de queixas está associado ao senso de impunidade (78,4%), ineficiência de políticas internas (63,8%) e ao medo (63,8%), além do sentimento de culpa pelo assédio sofrido.

Assédio sexual no trabalho: Pesquisa inédita

Os números fazem parte da pesquisa inédita elaborada pelo LinkedIn e a consultoria Think Eva, que traça o cenário do assédio sexual contra mulheres on e offline, no universo profissional.

O resultado dá início a uma campanha de promoção de um ambiente de trabalho seguro para mulheres dentro e fora da internet. A pesquisa inédita priorizou a perspectiva racial e econômica para a busca de insights e traz como foco as mulheres, uma vez que o maior número de ocorrências se dá neste gênero.

Uma em cada 6 vítimas pede demissão do trabalho após passar por um caso de assédio. Além disso, afirmam viver sob constante medo (35,3%), cansaço (31,7%) e falta de confiança em si e nos outros (30,3%).

A consultoria ouviu 381 mulheres presentes na internet no Brasil para uma avaliação quantitativa e análise de percepção sobre como os casos de assédio são detectados e tratados.

“Além de falar sobre, queremos trazer a discussão para um nível de consciência para quebrar um sistema que pouco age em casos de denúncia. Temos como objetivo chamar lideranças empresariais a assumirem um compromisso público e aberto de combate ao assédio sexual no ambiente de trabalho, conclamando para a adoção de ações preventivas de contenção e proporcionando, assim, um ambiente mais seguro, afirma Ana Plihal, diretora de soluções de talentos  e líder do Comitê de Mulheres para o LinkedIn Brasil.

Mais de 95% das entrevistadas afirmam saber o que é assédio sexual no ambiente de trabalho, mas pouco mais de 51% falam com frequência sobre o tema. Neste universo de discussão, a maioria (54%) são de mulheres pretas ou pardas (segundo nomenclatura oficial do IBGE) com renda entre dois e três salários das regiões Nordeste e Centro-Oeste.

Assédio sexual no trabalho: Metade das entrevistadas já sofreu assédio

Quase a metade das entrevistadas já sofreu alguma forma de assédio sexual no ambiente de trabalho (47,12%). Há ainda quem tenha presenciado uma cena de assédio, ou ouviu o relato de uma colega de trabalho, porém, cerca de 15% auxiliou diretamente ou emocionalmente a vítima e 10% não fez nada.

As mulheres que ganham menos de 2 salários mínimos declaram ter sua performance prejudicada pelo assédio sexual. O índice é 11% maior que a média. O resultado mostra também que, apesar do aumento das conversas públicas sobre o tema, o entendimento sobre o que caracteriza assédio ainda é muito literal, associado à violência física apenas.

A banalização de pequenos gestos de assédio também confunde as mulheres, 10% afirma não saber se já passou por um assédio e outros 10% disseram não saber identificar casos como esse no trabalho.

Como consequência, mulheres vítimas de assédio relatam sentir raiva e nojo, sentimentos seguidos pela sensação de impotência e humilhação. Trata-se de um problema de larga escala (atinge uma em cada duas mulheres).

Os números mostram ainda que 15% sente confusão e dúvida e 10% sente culpa. O medo de perder o trabalho leva ao silêncio. No Brasil, a taxa de desemprego entre as mulheres é 40% maior do que a dos homens, gerando uma sensação de insegurança e vulnerabilidade ainda maior.

Assédio sexual no trabalho: O que o levantamento mostra

O levantamento mostra que, apesar de haver um debate da sociedade, no universo do trabalho, o que se vê é a reprodução do status quo masculino. Perguntadas sobre quais caminhos podem levar a uma solução, as respondentes apontam:

  • adotar tolerância zero para os casos de assédio denunciados
  • responsabilizar os agressores
  • monitorar constantemente os casos e as estatísticas
  • ouvir e acolher as vítimas
  • assumir publicamente o seu papel na luta contra o assédio
  • atribuir maior responsabilidade às empresas para conter o assédio.

“O assédio sexual era, até pouco tempo, naturalizado e legitimado no ambiente de trabalho.

Graças a muitas mulheres e campanhas comprometidas com tal questão, esse comportamento foi exposto à sociedade pelo que ele realmente é: uma violência de gênero que traz danos profundos e traumas irreversíveis para as profissionais. Mas, com esta pesquisa inédita, fica claro que o ambiente corporativo ainda encontra dificuldades em assumir sua parte nessa mudança cultural.

Ao fechar os olhos para este problema, reproduz os mesmos comportamentos que, direta ou indiretamente, protegem o agressor e reforçam um cenário perverso em que ele, por sinal, é o único que não sai perdendo.

A vítima é revitimizada e excluída do mercado, a própria empresa perde talentos e a diversidade de seu corpo de funcionários, e a comunidade segue vendo a violência ser perpetuada”, destaca Maíra Liguori, diretora de impacto da Think Eva.

Assédio sexual no trabalho: Campanha de educação

A campanha de educação conta ainda com o lançamento de um vídeo para demonstrar quais comportamentos não são considerados profissionais e também mostrando como denunciar esse ato antiprofissional. O LinkedIn apresenta em sua ferramenta de denúncia uma opção dedicada ao registro de assédios para garantir a segurança dos usuários contra comportamentos indesejáveis.

Como empresa, o LinkedIn está comprometido em combater a discriminação nos ambientes de trabalho, em todas as questões que a envolvem, incluindo o assédio. Além de possuir políticas anti-assédio, discriminação e retaliação, realiza treinamentos online regulares obrigatórios para os funcionários.

Veja a pesquisa completa em: https://thinkeva.com.br/pesquisas/assedio-no-contexto-do-mundo-corporativo/

Vídeo da campanha: https://www.youtube.com/watch?v=l56lw8tb8z8&feature=youtu.be&ab_channel=LinkedIn

Assédio sexual no trabalho: Sobre o LinkedIn

O LinkedIn é a maior rede social profissional do mundo.  Estamos presentes em mais de 200 países e contamos com mais de 675 milhões de usuários, sendo deles 41 milhões de brasileiros. Ajudamos a conectar os profissionais do mundo a oportunidades de emprego e a transformar a forma com que as empresas contratam, divulgam suas marcas e vendem. Nossa visão é criar oportunidades econômicas para todos os usuários do mercado de trabalho. 

Junte-se à maior rede profissional do mundo hoje: www.linkedin.com

Facebook:  https://www.facebook.com/linkedinbrasil

Twitter: https://twitter.com/linkedinbrasil

Assédio sexual no trabalho: Sobre a Think Eva

A Think Eva é uma consultoria de inovação social que articula o mundo corporativo para a criar soluções para as desigualdades de gênero e intersecções. Para isso, realiza projetos de comunicação, de fomento da diversidade na cultura interna e de disseminação de conhecimento. A organização pertence ao mesmo grupo da Think Olga, ONG que utiliza a comunicação como ferramenta para sensibilizar a população sobre questões de gênero e interneções, bem como instrumentalizar agentes de mudança.

Site: www.thinkeva.com.br

Facebook: fb/evathink

LinkedIn: https://www.linkedin.com/company/think-eva/

Leia também – Pesquisa indica aumento de representatividade das mulheres nas empresas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui