Você certamente já teve – ou talvez ainda tenha – um superior totalmente indiferente às opiniões de seus colaboradores, grosseiro e difícil de argumentar. Poucas coisas são tão desestimulantes do que trabalhar com um chefe autoritário. E, embora as empresas, de modo geral, estejam notando os malefícios de contratar líderes mandões, infelizmente essa ainda é a realidade em alguns ambientes de trabalho. Para a psicóloga especialista em desenvolvimento humano Márcia Fiorini, existe uma relação muito estreita entre qualidade de vida e performance: “E isso está diretamente ligado à gestão. A porcentagem de pessoas que saem do emprego por causa da má gestão é imensa. Está à frente, por exemplo, da questão salarial”.

A mentalidade autoritária

O autoritarismo é uma das características de uma liderança dissonante, ou seja, emocionalmente distante de seus liderados. Esse estilo de chefe costuma dar ordens de forma rude, não reconhece os esforços dos funcionários e tende a usar o medo como forma de intimidar os membros de sua equipe. O resultado, certamente, é um ambiente tenso, com funcionários ansiosos e pouco engajados.

Mas, segundo Márcia, para que a mentalidade desses líderes mude são necessárias diversas ações: “Primeiramente, o próprio gestor deve assumir que precisa de mudança; a empresa ou ele próprio devem investir no seu desenvolvimento com cursos, especializações e treinamento; e a diretoria da empresa também deve ter consciência dessa mudança, se não, o gestor pode até tentar implementar ações nesse sentido, mas será barrado ou desmotivado pela direção da companhia”, ela destaca.

Os efeitos dos chefes autoritários

Líderes inseguros a respeito de sua competência profissional são, geralmente, autoritários, porque, no fundo, não acreditam que são capazes – ou dignos – de impor respeito se trabalharem de forma colaborativa com os membros de sua equipe. Esses chefes são incapazes de criar empatia com os colaboradores e, por isso, não compreendem as necessidades nem conseguem identificar corretamente as competências do grupo. Isso torna muito mais difícil que uma boa gestão aconteça, que os funcionários sintam-se dispostos a contribuir com o sucesso da organização, pois o chefe autoritário cria um clima de desconfiança e medo no ambiente.

Ou seja, funcionários com potencial para desenvolver um ótimo trabalho, muitas vezes acabam acuados e sem estímulo para criar ou inovar em suas atividades diárias. “Um chefe autoritário tira o que há de pior no colaborador e entulha o que há de melhor. Normalmente, não sabe fazer essa gestão focada em resultados e desenvolvimento da equipe”, esclarece Márcia.

De acordo com uma pesquisa realizada pelas universidades de Harvard e Stanford, a insatisfação com o chefe pode ser tão prejudicial à saúde dos funcionários quanto ser um fumante passivo. E os efeitos disso podem prejudicar a empresa como um todo.

Convivendo com um chefe autoritário

Pois é. Ele é assim e nem sempre é possível pedir demissão e sair correndo. Por que, então, não enxergar seu chefe mandão como uma oportunidade de desenvolver sua resiliência e, quem sabe até, superar suas próprias dificuldades de relacionamento? Confira essas dicas que preparamos com a ajuda da especialista para você lidar melhor com o seu chefe.

Autoconhecimento

Conheça seus próprios pontos fortes e os pontos em que pode melhorar. Dessa forma, será mais fácil compreender em que pontos o chefe – por mais autoritário que seja – pode estar certo;

Empatia

Embora pareça bastante difícil de aplicar no dia a dia, especialmente em situações críticas de autoritarismo do seu chefe, é preciso enxergá-lo como mais um ser humano que pode ter grandes dificuldades de comunicação. Isso pode ser útil na hora de filtrar o que ele disser e separar o que realmente serve para melhorar o seu desempenho e o que é apenas agressividade gratuita;

Fortaleça seus laços

Se o chefe não facilita uma aproximação e não consegue estabelecer um relacionamento empático com a equipe, tente estreitar os laços com os colegas. Isso fará com que vocês se sintam mais fortes e, apesar do chefe, tenham suporte emocional para realizar as tarefas diárias;

Cultive a inteligência emocional

Se seu chefe é autoritário, é certo que ele não tem essa habilidade bem desenvolvida. Mas você não precisa ser uma vítima disso. Então, cultive em você a capacidade de observar-se, compreender e lidar com suas emoções, o que ajuda bastante a lidar com as emoções alheias. “Tente separar o que é seu do que é dele, analisando que esses comportamentos destrutivos só terão validade no seu emocional se você permitir”, completa Márcia.

Cuide de seu bem-estar

É preciso estar com a saúde mental em dia para enfrentar os desafios do dia a dia profissional, especialmente quando se tem um chefe autoritário. Por isso, crie bons hábitos, como uma alimentação saudável, a prática de atividades físicas e sono adequado;

Não haja por impulso

Se seu chefe tiver um rompante de nervosismo, tente evitar uma resposta imediata, pois isso pode piorar a situação. Respire fundo, ouça e espere o descontrole passar para então falar com ele. “Observe a situação com o máximo possível de racionalidade, tentando deixar as emoções de lado. Dessa forma, você ficará em outra linha de consciência e não cairá na armadilha de querer revidar”, aconselha a especialista.

Pergunte o que ele acha

Chefes autoritários geralmente não gostam de ser contrariados e têm dificuldade de aceitar opiniões diferentes das suas. Uma boa estratégia para conseguir ser ouvido é fazer perguntas como “qual a sua opinião sobre isso?” ou “o que acha desse tipo de abordagem”?

Seja atencioso

Enquanto estiver conversando com seu chefe, deixe claro que está ouvindo cada palavra do que ele diz e que está verdadeiramente interessado. De vez em quando, repita o que ele disse com outras palavras, para que ele perceba que você compreendeu. Pode parecer banal, mas é uma maneira simples de aproximar-se dele e fazer com que ele confie mais em você;

Seja firme

Não é porque seu chefe é autoritário que você precisa ter uma atitude submissa. Tenha uma atitude firme e demonstre segurança na sua própria capacidade quando estiver frente a frente com ele. Seja respeitoso, mas saiba defender seus pontos de vista com números e argumentos que demonstrem preparo e preocupação com o melhor resultado para a empresa.

Saiba o momento de desistir

Se mesmo seguindo todas essas orientações o seu relacionamento com o chefe continuar difícil, seja honesto com você mesmo: “analise os reais motivos de estar nessa empresa. Prepare-se, olhe o mercado, qualifique-se e não tenha medo de fazer mudanças importantes para preservar sua saúde física e mental”, conclui Márcia.

Fale com o PraCarreiras