Apesar de ainda ser conhecida como a profissão dos “médicos de animais”, a medicina veterinária não se resume ao trabalho em clínica. Afinal, ela está presente de diferentes formas na sociedade. Sua atuação pode se estender a áreas como a vigilância e inspeção de supermercados e frigoríficos, por exemplo, por tratarem-se de estabelecimentos que comercializam produtos de origem animal.

Aliás, outro segmento em que esse profissional pode atuar é a indústria de alimentos para pets. Assim, foi para essa área que Thiago Marçal, veterinário da Nutrire, direcionou seus esforços. “Logo após a graduação, fiz duas especializações. Uma em Segurança Alimentar e Gestão do Setor de Alimentos e outra em Nutrição de Cães e Gatos”, explica o profissional que está há seis anos na empresa.

Medicina Veterinária: um mercado em ascensão

De acordo com ele, os pets estão ganhando cada vez mais importância nos lares brasileiros e, dessa forma, o mercado só tem a ganhar. “Isso leva a um processo de desenvolvimento de novas áreas de atuação e cada vez mais específicas, pois os tutores, com o acesso à informação, estão cada vez mais exigentes”.

Por isso, o PraCarreiras entrevistou o profissional, com o intuito de trazer dicas e informações para quem deseja seguir essa profissão, mas tem dúvidas sobre os caminhos possíveis.

PC: Por que você escolheu a Medicina Veterinária como profissão?

Optei por esta área quando comecei a estudar o mercado e sua abrangência de atuação. Muitas pessoas conhecem a prática clínica, mas áreas de produção animal, saúde pública, defesa sanitária, melhoramento genético, bem-estar animal, inspeção sanitária e tecnológica dos produtos de origem animal e derivados, desenvolvimento e produção de medicamentos e produtos biológicos de uso veterinário também são áreas de atuação do médico veterinário.

PC: Você fez residência?

A residência é voltada para a área clínica. Como optei pela área de alimentos, logo após a graduação cursei especialização em Segurança Alimentar e Gestão do Setor de Alimentos e especialização em Nutrição de cães e gatos.

PC: Me conte um pouco sobre sua trajetória profissional e como foi a sua chegada à Nutrire, empresa de alimentação para animais, em que atua hoje.

Fui contratado pela Nutrire em 2013, para trabalhar como gestor técnico. Eu divulgava os produtos e treinava equipes comerciais de nossos parceiros e clientes. Isso me permitiu absorver muito conhecimento na área comercial, concorrentes, posicionamento e necessidades do mercado. Além disso, todo esse aprendizado me possibilitou a transição para a área interna, mais técnica. Lá, eu pude contribuir e aprender com as áreas de marketing, custos, vendas, produção, qualidade e desenvolvimento de produtos.

PC: Qual é a sua atuação no dia a dia da empresa? Qual o papel de um veterinário nesse segmento?

Atualmente, além de Responsável Técnico da empresa, sou responsável pelo desenvolvimento e manutenção de produtos e formulações, programas de qualidade e suporte técnico à área de mercado.

O principal papel do veterinário neste segmento é, certamente, garantir que os produtos sejam produzidos seguindo as exigências de legislação. E, principalmente, do mercado, garantindo a segurança alimentar, a qualidade e uma nutrição balanceada para os cães e gatos.

PC: Você também atua com atendimento clínico?

Hoje em dia não, pois as atividades da empresa ocupam muito tempo do dia. Entretanto, uma parte do meu trabalho atualmente é o suporte ao SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) da empresa. Nesse setor, temos contato com os clientes. Então, atuo diretamente quando o assunto é nutrição e manejo alimentar ou dúvida sobre nossos produtos.

Meu dia a dia é dividido entre atividades de manutenção de formulações, acompanhamento da produção, desenvolvimento de produtos, melhoria contínua de processos e qualidade e, além disso, de acompanhamento do posicionamento e desempenho dos produtos no mercado e seu ciclo de vida.

O mercado é muito promissor, mas apenas para quem busca constante desenvolvimento. Ficar parado não é uma opção

PC: Acredito que simplesmente gostar de animais não seja o suficiente para seguir a carreira de medicina veterinária . Então, que características são fundamentais, na sua visão, para sem bem-sucedido nessa carreira?

Gostar de animais é apenas o primeiro passo. Mas independentemente da área de atuação, acredito que gostar do que se faz e do ambiente de trabalho faz toda a diferença. Além disso, trabalhar com pessoas criativas e que têm os mesmos objetivos faz toda a diferença. 

Em nosso caso, acima de qualquer ambição pessoal, é levar qualidade aos nossos clientes, não apenas no que tange a produto, como também ao atendimento, elevando a Marca Nutrire e suas linhas de produtos ao topo do mercado. Não é a toa que estamos presentes em mais de 30 países com nossas marcas. Isso exige foco, profissionalismo e dedicação de todos os profissionais que fazem parte da família Nutrire.

Por isso, algumas características pessoais fundamentais para crescer profissionalmente são: saber trabalhar sob pressão, agilidade na tomada de decisões, comunicação clara e gestão de processos e equipe.

PC: É possível dizer que a medicina veterinária está ganhando terreno, nos últimos anos, por causa de uma valorização maior dos animais de estimação na sociedade? Qual é a sua visão sobre isso? É um mercado promissor para novos profissionais?

Sim. A verdade é que os pets estão ganhando cada vez mais importância nos lares e já são vistos, não apenas como membros da família, mas também como filhos. Isso leva a um processo de desenvolvimento de novas áreas de atuação e cada vez mais específicas, pois os tutores, com o acesso à informação, estão cada vez mais exigentes. Em meu ponto de vista, isso é extremamente benéfico, não apenas para os profissionais – que são desafiados a se especializarem cada vez mais para se manter no mercado –, como também para os próprios pets, que ganham em qualidade de vida, saúde e longevidade. Acredito ser, sim, um mercado muito promissor, mas apenas para profissionais que buscam constante desenvolvimento e atualização. Ou seja, ficar parado não é uma opção.

PC: Que conselhos você daria para quem ainda é jovem, mas considera cursar medicina veterinária ? Que alertas você gostaria de ter recebido antes de decidir pelo curso?

Informe-se sobre quais as possibilidades de área de atuação, pois é uma profissão que abrange inúmeras opções de carreira e, durante a graduação, procure desenvolver atividades em diferentes áreas (como estágios, por exemplo). Isso serve não apenas para experimentar outras áreas de atuação, como também para se preparar melhor para o mercado de trabalho, pois nem sempre a primeira oportunidade de trabalho após concluir o curso será na área desejada.

PC: Existe algum aspecto da sua profissão que você considera um desafio? Qual? Por quê?

A cada dia existem novos desafios, seja desenvolver ou melhorar nossos produtos, melhorar processos, desenvolver estratégias para melhorar a produtividade e qualidade de nossos produtos, afinal, o mercado está cada vez mais competitivo. Por isso, a busca por conhecimento é um desafio constante.

PC: O que é sucesso para você? Considera-se bem-sucedido?

O sucesso pra mim, de uma forma bem simples é: fazer o que se gosta, fazer bem feito e ser reconhecido pelo que se faz.

Considero-me, sim, uma pessoa bem-sucedida, mas não acomodada. Tenho objetivos claros e definidos e sei exatamente como e onde quero chegar.