Veja se essa profissão é para você!

Quem associa a moda com o glamour das passarelas, está enxergando apenas uma possibilidade de atuação no mercado.

O setor de moda abrange diversas possibilidades de trabalho com roupas, acessórios e calçados.

E, apesar do Brasil passar por uma crise econômica, o segmento é o segundo que mais emprega no país, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecções (ABIT). Hoje possuímos mais de 30 mil indústrias têxteis, o que nos faz o 6° maior produtor dessa categoria no mundo.

As expectativas para os próximos anos são altas, com as gerações Y e X como crescentes consumidores de moda, principalmente através dos e-commerces e perfil altamente exigentes sobre marcas  (Sebrae).

A estilista Laura Maroco está a frente de duas marcas do Grupo Kyly, após passar por diversas experiências em empresas de design de moda. Apaixonada pela área, ela garante “é preciso ter bastante resiliência”.

PC: Você poderia nos contar brevemente como foi sua trajetória profissional?

Logo no terceiro semestre da faculdade comecei a trabalhar como assistente de estilista no Grupo Kyly, que tem foco no mercado infantil.

Foi lá que eu aprendi toda a base da profissão de estilista. Após dois anos, consegui minha promoção para estilista e fiquei por mais dois anos e meio na empresa.

Passei por mais duas empresas de pequeno e médio porte e em uma delas foquei mais na parte teen, e percebi que gostava muito desse público também.

Recebi uma proposta para retornar a minha primeira empresa, Grupo Kyly, voltei e hoje estou a frente de duas marcas no grupo.

PC: Como foi a escolha da faculdade?

Cursei Moda – Estilismo Industrial na Universidade Regional de Blumenau (FURB). Escolhi este curso por sempre me identificar com atividades que estimulem criatividade e personalidade.

Se não fosse moda, provavelmente seria outro curso relacionado a design. A escolha da universidade ficou por conta da oportunidade de mercado da região, que é rica em empresas de todos os portes no segmento têxtil.

PC: Como é sua rotina?

Nenhum dia é igual ao outro, é claro que toda coleção segue a mesma linha de desenvolvimento.

Porém, em cada empresa que trabalhei o planejamento de coleção era diferente. Isso foi bastante positivo, pois pude contribuir com novos processos e novas formas de desenvolvimento.

A nossa área se relaciona muito com outras da empresa. Todos os dias, tenho contato direto com outras áreas da empresa como desenho, engenharia, modelagem, marketing, estamparia, etc.

E tudo acontece ao mesmo tempo. Enquanto estamos criando uma coleção X, estamos aprovando peças da coleção Y, fotografando a coleção Z e recebendo retorno de mercado da coleção W.

É um nó na cabeça mas quando se pega o jeito, é muito dinâmico.

PC: Qual o melhor perfil para trabalhar como estilista?

Pessoas criativas, com a mente aberta e solta, mas ao mesmo tempo vejo a necessidade de senso de organização, planejamento, dedicação e resiliência acima de tudo.

PC: Do que você mais gosta na sua profissão?

A parte da criação é tentadora, pois a imaginação rola solta.

Porém acredito que quando as peças da coleção estão prontas e estamos fotografando o catálogo/campanha é quando meu coração se enche de orgulho.

Claro, também é muito legal encontrar pessoas na rua, no shopping, em aeroporto, usando a peça que você desenvolveu.

PC: Toda carreira tem seu lado mais “chato”, aquela parte que você não gosta muito de fazer. Qual seria essa parte na carreira de um estilista?

Acredito ser a parte de rejeição e desaprovação de ideias, porém é quando a resiliência se faz essencial para um bom profissional da área.

Saber lidar com as situações e ser criativa para ter novas ideias e sugestões é essencial nesses casos.

PC: Como obter sucesso como estilista?

Acredito que a dedicação seja essencial para o crescimento nessa carreira, assim como em todas as outras.

Passar por diversas experiências e situações me fizeram crescer e aprender bastante. Hoje me sinto uma profissional completa, mas sei que ainda tenho muito para aprender, evoluir e aperfeiçoar.

É importante ser apaixonada pelo o que você faz. Me sinto realizada, pois desenvolvo meu trabalho com muito amor, carinho e dedicação.

Tudo isso faz com o que trabalho não seja um “trabalho” no sentido direto da palavra, mas seja algo prazeroso.

PC: Qual a melhor forma de se manter atualizado na sua carreira?

Na minha opinião, é a participação em workshops, palestras, cursos rápidos e eventos relacionados a atualização e aperfeiçoamento.

PC: Para você, o que é sucesso?

Acho que a definição de sucesso é muito pessoal. Na minha opinião, sucesso se baseia em felicidades e ao sentimento de realização profissional.