Estudo global destaca o Brasil em competências tecnológicas e revela aumento do interesse de mulheres nas áreas da ciência

competências tecnológicas

Coursera Global Skills Report 2021 classifica o Brasil em 57º lugar globalmente em Competências Tecnológicas e em 5º na América Latina.

O relatório também mostra o aumento das matrículas de mulheres em cursos STEM, de 27% em 2018-2019 para 38% em 2020.

Durante a pandemia, os alunos no Brasil desenvolveram habilidades de tecnologia de ponta e competitivas, especialmente em computação em nuvem, programação de computadores e engenharia de software, segundo o Relatório de Habilidades Globais 2021 (Global Skills Report), realizado pela plataforma Coursera. Além do Brasil, Barbados e Chile também são líderes em tecnologia.

O relatório também mostrou um aumento nas matrículas de mulheres, de 27% em 2018-2019 para 38% em 2020 em cursos de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática (STEM).

O Relatório de Habilidades Globais baseia-se em dados de desempenho de mais de 77 milhões de alunos desde o início da pandemia para avaliar a proficiência de habilidades em negócios, tecnologia e ciência de dados em mais de 100 países.

Pela primeira vez, o estudo também revela as principais habilidades necessárias para empregos de nível inicial de alta demanda, incluindo as horas de aprendizagem necessárias para desenvolvê-los. O Brasil está classificado em 83º lugar globalmente em proficiência em habilidades digitais, com mais de 3,2 milhões de alunos matriculados na Coursera.

“O acesso a uma variedade de credenciais relevantes para o trabalho, incluindo um caminho para empregos digitais de nível básico, será a chave para a requalificação em escala e para acelerar a recuperação econômica”, disse Jeff Maggioncalda, CEO da Coursera.

“Nossa terceira edição do Relatório de Habilidades Globais fornece às instituições dados de referência e insights de habilidades para informar novas colaborações, criar caminhos de nível básico e oferecer oportunidades de emprego em funções de alta demanda”.

Competências tecnológicas: Habilidades financeiras

• Os alunos no Brasil têm habilidades financeiras de ponta, mas outras habilidades de negócios mostram oportunidade para o desenvolvimento. Quando se trata de habilidades financeiras, o Brasil está mostrando grandes avanços nessa área, impulsionado pelas novas regulamentações do Open Banking e do sistema de pagamentos instantâneos PIX.

Estender essas transformações digitais dos sistemas financeiros ao resto da região exigirá o treinamento de uma nova geração de trabalhadores com experiência em tecnologia. Os alunos brasileiros com habilidades em contabilidade, marketing e comunicação estão na categoria “nível emergente” no Relatório, que compreende um percentual de habilidade desenvolvida de 26% a 50%.

O desenvolvimento dessas habilidades pode impulsionar serviços ligados ao comércio, por exemplo, severamente sacrificados nesta pandemia. As habilidades empresariais podem ajudar, especialmente, os trabalhadores de pequenas empresas.

Competências tecnológicas: Habilidade em matemática ainda deficiente na América Latina

• Em termos de proficiência em habilidades de ciência de dados, o Relatório aponta deficiência em habilidades matemáticas na América Latina.

O estudo mostra que os alunos brasileiros estão atrás dos alunos do México e da Bolívia em matemática. Esses resultados se alinham com outros estudos, como a avaliação PISA, da OCDE, em que a pontuação média em matemática para estudantes latino-americanos era de Nível 1, a mais baixa possível de seis. Porém, a América Latina e o Caribe têm um grande potencial inexplorado de talentos matemáticos.

Competências tecnológicas: Pandemia estimula matrículas de mulheres em cursos online

• Apesar da pandemia estar aumentando o êxodo de mulheres do mercado de trabalho brasileiro, por outro lado, elas buscam educação online em um ritmo maior do que antes da pandemia.

Aproximadamente 46% dos alunos do Coursera no Brasil são mulheres. A proporção de matrículas de mulheres em cursos STEM cresceu de 27% em 2018-2019 para 38% em 2020. Os homens representam a maioria, com 62% em 2020.

Com base nos dados de desempenho de milhões de alunos da Coursera globalmente, o Relatório também revela as habilidades e o tempo necessários para se preparar para funções de nível de entrada.

Competências tecnológicas: Para os recém-formados

• Os recém-formados e os que mudam no meio da carreira podem desenvolver habilidades de trabalho digitais de nível básico em apenas 35 a 70 horas (ou 1-2 meses com 10 horas de aprendizado por semana). Por outro lado, alguém sem diploma ou experiência em tecnologia poderá estar pronto para o trabalho em 80 a 240 horas (ou 2 a 6 meses com 10 horas de aprendizado por semana).

Competências tecnológicas: Investir em habilidades básicas

• Os alunos devem investir em habilidades básicas e técnicas para permanecerem relevantes para o emprego em um mercado de trabalho em rápida evolução. Por exemplo, uma função de computação em nuvem de nível básico, como um especialista em suporte de computadores, requer o aprendizado de habilidades básicas, como resolução de problemas e desenvolvimento organizacional, e habilidades técnicas, como engenharia de segurança e rede de computadores.

Da mesma forma, as funções de marketing de nível básico requerem software de análise de dados e habilidades de marketing digital, além de habilidades sociais como estratégia, criatividade e comunicação.

Competências tecnológicas: Habilidades transferíveis

• As habilidades mais transferíveis em todos os empregos futuros são em habilidades humanas, como resolução de problemas e comunicação, conhecimento de informática e gerenciamento de carreira. Habilidades básicas, como comunicação empresarial e alfabetização digital, permitem que os trabalhadores participem de ambientes de trabalho cada vez mais complexos e globais.

À medida que as pessoas mudam de emprego com mais frequência, a procura de emprego e as habilidades de planejamento de carreira serão essenciais para a transição de funções e manutenção do emprego.

Com 82 milhões de alunos, 6 mil instituições e mais de 5 mil cursos das principais universidades e educadores do setor do mundo, a Coursera tem um dos maiores conjuntos de dados para identificar e medir tendências de habilidades.

O relatório deste ano é mais enriquecido pelas tendências impulsionadas pela pandemia, incluindo 30 milhões de novos alunos que aderiram à plataforma em todo o mundo em 2020.

Para baixar o relatório completo, visite: coursera.org/gsr.

Como ler o ranking: A Coursera divide o ranking percentual de cada grupo nas quatro categorias seguintes:
• De ponta (76% ou mais)
• Competitivo (51% – 75%)
• Emergentes (26% a 50%)
• Atraso (25% ou menos)

Competências tecnológicas: Sobre a Coursera

A plataforma Coursera foi lançada em 2012 por Andrew Ng e Daphne Koller, dois professores de ciência da computação da Universidade de Stanford, com a missão de fornecer acesso universal ao aprendizado de classe mundial. Ele é hoje uma das maiores plataformas de aprendizagem online do mundo, com 82 milhões de alunos.

A Coursera tem parceria com mais de 200 universidades líderes e parceiros do setor para oferecer um amplo catálogo de conteúdo e credenciais, como Projetos Orientados, cursos, especializações, certificados e graus de bacharelado e mestrado.

Mais de 6 mil instituições usaram a Coursera para aprimorar e requalificar seus funcionários, cidadãos e alunos, inclusive em campos de alta demanda, como ciência de dados, tecnologia e negócios.

Leia também – Área comercial lidera ranking de vagas de liderança abertas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui