5 passos para driblar a síndrome da impostora

síndrome da impostora
5 passos para driblar a síndrome da impostora, esse é o tema do artigo de hoje, escrito por Regina Nogueira.

Consultora empresarial Regina Nogueira alerta para o problema, que afeta mais mulheres do que homens e põe em risco trajetória profissional e pessoal.

Já ouviu falar na síndrome da impostora? Embora não seja um conceito novo- essa questão é estudada há cerca de 50 anos, desde a década de 1970- muita gente ainda não compreende bem ao que se refere o termo. Resumidamente, essa “síndrome” pode ser definida como uma espécie de bloqueio que impede que a pessoa seja capaz de reconhecer e aceitar seu próprio sucesso.

Mesmo nos dias de hoje, esse é um problema que acomete um grande número de pessoas do sexo feminino, e faz com que a mulher passe a considerar a si mesma “uma fraude”, e a acreditar que só conseguiu alcançar determinada posição ou patamar na carreira por ter enganado todas as pessoas ao seu redor.

Segundo pesquisa da plataforma de conteúdo e negócios StartSe, em parceria com a OpinionBox, entre 783 mulheres em posições de liderança de todo o Brasil, 43% apontam o medo de falhar como um dos entraves para evoluir na carreira, enquanto a dificuldade em falar sobre conquistas profissionais foi apontada por 52%. Os dois aspectos são “sintomas” intimamente ligados à denominada síndrome da impostora.

“É um padrão de comportamento, que geralmente reflete uma baixa auto-estima e insegurança. Com isso, a pessoa- em sua maioria mulheres, mas também afeta muitos homens- passa a crer que aquele sucesso que ela está obtendo em sua vida não é real, que foi um ‘golpe de sorte’ aquilo ter acontecido”, explica a consultora empresarial Regina Nogueira, que também é especialista em reposicionamento de marca pessoal e corporativa e autora do livro “VOCÊ É UMA MARCA. Descubra como o Personal Rebranding pode mudar a sua vida por meio das marcas”.

Regina acrescenta que trata-se de um processo de autossabotagem, em que o indivíduo não aceita o próprio sucesso e acha que não tem competência para executar bem e ter êxito em determinada área ou cargo. “É algo muito complexo, porque a pessoa realmente dá ênfase e ‘joga luz’ sobre o lado negativo, e não no lado positivo daquilo que ela realiza. Assim, não consegue enxergar sua potência”.

Na visão da especialista, não é surpresa que tal “síndrome” acometa mais as mulheres. “Durante séculos, fomos educadas para servir, e, culturalmente, o homem sempre ocupou um lugar de muito mais destaque que a mulher. Isso é uma barreira difícil de quebrar, porque ainda hoje a mulher sofre pressão social e enfrenta preconceito no mundo corporativo, simplesmente por ser mulher. Apesar de todos os avanços, ainda estamos longe de ter um ambiente igualitário. Os homens, de forma geral, ainda ganham salários maiores e tendem a ser mais respeitados”, diz.

Regina lista algumas dicas para as mulheres deixarem de lado esse “complexo”.

Síndrome da impostora: 1- Faça uma retrospectiva das suas conquistas

Essa é uma medida simples e eficiente, pois ajuda a relembrar cada passo da história daquela mulher, e faz com que ela visualize melhor como chegou lá. “Ao fazer esse exercício, a mulher pode se dar conta de que não chegou onde desejava da noite para o dia. Isso ajuda a valorizar mais cada desafio que ela enfrentou, e entender que se hoje ocupa um determinado cargo, é porque merece”, comenta.

Síndrome da impostora: 2 – Liberte-se do medo de errar

Outro cuidado importante, na visão de Regina, é permitir-se ser imperfeita e não ter medo de se mostrar vulnerável. “A mulher não pode se esquecer de que, acima de tudo, ela é humana e, como tal, não tem a obrigação de saber tudo, nem de acertar sempre. Libertar-se dessa imposição também ajuda a sentir-se menos ‘impostora’”.

Síndrome da impostora: 3 – Não viva apenas para o trabalho

Ter uma vida fora do escritório também é fundamental, no ponto de vista da consultora. “Não dedique 100% do seu tempo e interesse ao trabalho, cultive suas amizades, estreite as relações familiares, pois são essas as pessoas que te ajudam a voltar pro eixo, relembrar quem você é e parar de duvidar tanto de você mesma”.

Além das relações humanas, é necessário reservar algum tempo para o lazer, viagens, hobbies, coisas que te desconectem das obrigações e do peso da rotina. “Isso tudo ajuda a não se levar a sério demais, e afasta do papel de impostora.

Síndrome da impostora: 4- Reserve algum tempo para você

Regina também sugere tirar tempo para si mesma, dedicando-se a alguma prática que promova a saúde mental e o bem estar- como meditar, caminhar, qualquer atividade que aquela mulher goste e valorize. “Muitas vezes acabamos deixando esses momentos de lado, mas o autoconhecimento é o melhor caminho para que você se conecte consigo mesma, e fuja da ideia de que é uma ‘farsa’”, pondera.

Síndrome da impostora: 5- Nunca é tarde para mudar de atitude

Como última dica, Regina ressalta que nunca é tarde demais para reposicionar sua própria marca pessoal e criar uma nova imagem, seja no trabalho ou na vida pessoal. “Eu mesma tive uma ascensão profissional muito rápida, fui a mais jovem diretora de marketing da multinacional em que eu trabalhava. Quando assumi o cargo de diretora, para atender um grande cliente, me tornei outra pessoa, estava com muito medo, e meu comportamento, minha insegurança, passou a afastar as pessoas. Passado algum tempo, com a ajuda dos amigos e dos colegas mais próximos, consegui identificar a armadilha da impostora e reverter o jogo”, conta.

“É por isso que sempre digo que todos têm a capacidade de abandonar um comportamento e se tornar de fato uma nova pessoa, passando uma nova impressão e deixando de boicotar a si mesmo, caminhando para o sucesso em todas as áreas da vida e para uma existência mais plena e feliz”, conclui.

Síndrome da impostora: Sobre Regina Nogueira

É especialista em reposicionamento de marca e autora do livro “Você é uma marca! Descubra como o Personal Rebranding pode mudar a sua vida por meio das marcas”, que será lançado em outubro. Oferece consultoria estratégica para empresas e pessoas, por meio de atendimentos personalizados que resultam no reposicionamento da marca pessoal e/ou corporativa.

É Pós-Graduada em Neurociência e Comportamento pela PUC- RS, Bacharel em Economia pela PUC-SP, Propaganda e Marketing pela ESPM e em Liderança pela Columbia University – NY. Atuou no mercado de publicidade por mais de 20 anos, tendo ocupado cargos de liderança em grandes empresas e agências nacionais e multinacionais nas áreas de Atendimento, Planejamento, Marketing e Branding.

O PraCarreiras e a mentoria de carreiras

O PraCarreiras também faz uma mentoria de carreira, com preparação de currículo, LinkedIn, dinâmica de grupo e ensaio de entrevista de emprego.

Oferecemos soluções completas para que o profissional se posicione de forma adequada nos processos seletivos.

Para conhecer mais sobre os tipos de mentoria de carreira, clique aqui!

Acompanha a gente no Instagram.

Conheça todas as Soluções do PraCarreiras.

Quer falar com a gente? Entre em contato no nosso WhatssApp.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui