Os desafios das mulheres no mercado de trabalho atual: Da desigualdade de gênero, à baixa representatividade

desafios das mulheres no mercado de trabalho

Pesquisa do IPEA revela que desafios das mulheres no mercado de trabalho caiu 7,5%, veja também o que os dados da Workana mostram.

Dados da Workana mostram que 48,3% das mulheres CLTs em home office ficaram encarregadas de cuidar dos filhos, enquanto entre os homens esse número não passou de 11,1%.

A crise causada pela pandemia atingiu em cheio os trabalhadores em todo o mundo. O Brasil chegou à marca de 14,1 milhões de desempregados, e a participação das mulheres no mercado de trabalho caiu consideravelmente.

Dados do IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, revelaram que, no terceiro trimestre de 2020 em comparação com o mesmo período de 2019, houve uma queda de 7,5% no número de mulheres trabalhando. A taxa, que foi de 53,3% a 45,8%, só não foi tão baixa quanto a registrada em 1990, quando chegou a 44,2%.

Desafios das mulheres no mercado de trabalho: Perda significativa

Além da perda significativa no volume de mulheres no mercado de trabalho, dados de 2020 do relatório anual da Workana, maior plataforma que conecta freelancers a empresas da América Latina, mostraram que a desigualdade de gênero ficou mais evidente no home office.

48,3% das mulheres CLTs afirmaram estar cuidando dos filhos, enquanto entre os homens esse número chegou a apenas 11,1%. Não à toa, as mulheres foram as que mais sofreram de ansiedade: 28% delas afirmaram ter sido acometidas por esse problema, enquanto entre os homens a taxa ficou em 8,33%.

Desafios das mulheres no mercado de trabalho: O ranking

Elas lideraram ainda o ranking de dificuldade de concentração, com 24% de incidência, ante 17,71% deles.

Para Daniel Schwebel, country manager da Workana no Brasil, apesar de 15,2% dos profissionais terem visto no home office a vantagem de poder trabalhar sem deixar de estar perto dos filhos, não ter limites entre a vida pessoal e profissional, e ter que seguir horários pré determinados pela empresa acabou sobrecarregando principalmente as mulheres.

“Os gestores têm que ser mais flexíveis em relação aos horários no trabalho remoto, porque isso vai possibilitar que as mulheres façam a gestão do próprio tempo, por exemplo, adequando o trabalho à rotina de casa da maneira que acharem melhor, sem que isso signifique ficar longe dos filhos – no caso das mulheres que têm filhos -, ou sem precisar deixar de se dedicar também a projetos e atividades pessoais”, explica Schwebel.

Desafios das mulheres no mercado de trabalho: Flexibilidade e liberdade do trabalho freelance a favor da igualdade

91% dos profissionais disseram preferir trabalhar de forma mais flexível, com foco nos resultados, sem a necessidade de estar no escritório ou cumprir 8 horas de trabalho.

Dados de outro relatório da Workana, Mulher 2020, revelaram que, focadas exatamente nessa flexibilidade, liberdade, e na busca por mais igualdade e autonomia, 69% das mulheres optaram por mudar de carreira ou entrar no mercado freelance, 21% delas tomaram essa decisão por querer passar mais tempo com os filhos, e muitas outras com o intuito de gerir a própria carreira e ter controle sobre a rotina.

Segundo Schwebel, o mercado freelance é bastante democrático e, além de pôr fim a essas limitações de horários e barreiras físicas, também não dá espaço para preconceitos, sejam eles relacionados a gênero, idade, cor, entre outros.

Para se ter uma ideia, sobre questões ligadas à maternidade, por exemplo, ainda de acordo com o relatório Mulher 2020 da Workana, ao se candidatar para atuar em um projeto como freelance, 93,5% das mulheres disseram que o fato de ter filhos não foi questionado pelo contratante, enquanto no mercado tradicional, 75,7% das mulheres afirmaram ter sido questionadas sobre filhos.

E quando o assunto é idade, 53,5% das mulheres freelancers cadastradas na Workana disseram ter vivido uma transição em suas carreiras depois dos 40 anos, 30% começaram a atuar como freelancer após os 30 anos, e 18% depois dos 36 anos.

Desafios das mulheres no mercado de trabalho: Diminuindo os obstáculos

“Para diminuir os obstáculos encontrados pelas mulheres no mercado de trabalho, os líderes têm que deixar de lado práticas antigas, como office centric, e focar em conceitos como o professional centric, que consiste basicamente em se atentar às necessidades de cada profissional.

Dar suporte para que as pessoas desenvolvam não só suas habilidades técnicas, mas também tenham a saúde mental em dia – estejam onde estiverem -, cresçam profissional e pessoalmente, e tenham equilíbrio nesses dois quesitos, contribuirá para que haja menos desigualdade no mercado de trabalho. Com isso, ganha o colaborador, e ganha a empresa”, conclui Daniel Schwebel.

Desafios das mulheres no mercado de trabalho: Sobre a Workana

Fundada em 2012, a Workana é um marketplace que conecta freelancers a empresas e possui atuação em toda a América Latina. A plataforma oferece flexibilidade e agilidade na contratação de profissionais para os projetos cadastrados.

Com oito anos de atuação, a empresa já atingiu a marca de mais de um milhão de projetos postados na plataforma e possui, atualmente, mais de 3,8 milhões de freelancers cadastrados.

Leia também – Crescimento das mulheres em setores tradicionalmente masculinos é destaque em 2020.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui