No Brasil, 58% dos líderes de capital humano sentem escassez de talentos no mercado, mesmo com milhões de profissionais disponíveis

talentos no mercado

Relatório da Randstad revela que requalificar colaboradores e construir banco de talentos no mercado sólido são estratégias que contribuem para driblar cenário.

Mesmo em meio às altas taxas de desemprego em todo o mundo como resultado da pandemia da COVID-19, a escassez de talentos continua sendo um grande desafio para as companhias.

De acordo com o Talent Trends Report 2021, divulgado pela Randstad, empresa global de soluções de RH, no Brasil, 58% dos líderes de capital humano relatam que a escassez de talentos impactou negativamente sua organização – o maior total nos últimos cinco anos. Em escala global, esse resultado é de 40%.

Talentos no mercado: Com base na pesquisa

Com base em uma pesquisa com 850 diretores e líderes de capital humano em 17 mercados em todo o mundo, o Talent Trends Report fornece insights globais sobre as principais tendências de talentos que dominarão 2021, especialmente quando as empresas começarem a delinear planos de recuperação em resposta à pandemia.

O estudo revelou que 42% dos líderes de RH no Brasil ainda alegam escassez de profissionais qualificados na área de TI, enquanto 9% não conseguem encontrar candidatos aptos para funções de RH. No contexto mundial, os índices são de 40% e 28%, respectivamente, mostrando um aumento significativo na escassez para cargos de RH em relação ao cenário nacional.

Talentos no mercado: Para o diretor da unidade

Para Diogo Forghieri, diretor da unidade de negócios focada em soluções em atração de talentos da Randstad no Brasil, os empregadores enfrentam uma grande defasagem de talentos, mesmo com tantos profissionais disponíveis no mercado.

“Os líderes precisam investir esforços na construção de uma cadeia de talentos sólida e na implementação de programas de requalificação de seus colaboradores, para que os times desenvolvam novas capacidades e agradem aos resultados da empresa”, comenta Diogo.

Para construir programas de requalificação e maximizar seu banco de candidatos, o relatório Talent Trends 2021 descobriu que muitas empresas estão recorrendo à análise de talentos para entender melhor o gasto e a utilização de recursos, além da disponibilidade de habilidades específicas dentro de sua própria organização.

Para 96% dos diretores brasileiros, a análise de talentos desempenha papel fundamental na busca, atração, engajamento e retenção de bons profissionais, e 1 em cada 3 diz que começou a investir no método devido à pandemia – em nível global, este resultado cai para 1 em cada 5 líderes.

Talentos no mercado: A análise

“A análise se tornou essencial para que as companhias entendam como seus recursos são usados e a disponibilidade de times qualificados dentro da própria organização. A partir dessa avaliação, é possível levantar informações que contribuirão de forma estratégia na aquisição de talentos”, analisa Diogo, executivo da Randstad.

Outro componente crítico da recuperação pós-pandemia citado foi a criação de forças de trabalho cada vez mais flexíveis. A pesquisa com líderes do mundo todo revelou que 70% reconhecem que a equipe é tão ou mais produtiva trabalhando em casa, enquanto, no Brasil, esse grupo representa apenas 53%.

Quando questionados se veem os arranjos de trabalho flexíveis como quesito importante para atrair melhores talentos, a maioria considera que sim em ambos os cenários – 64% dos entrevistados globais e 84% dos brasileiros.

Talentos no mercado: Resumo das conclusões do Talent Trends Rerport 2021

Principais conclusões
A flexibilidade é fundamental para a atração de talentos: 80% dos líderes mundiais dizem que sua empresa considerará algum tipo de política permanente de trabalho em casa, enquanto do Brasil esse índice é ainda mais significativo, representa 92% dos entrevistados.

Os empregadores devem desempenhar um papel na requalificação: Em escala global, 92% dos líderes de capital humano afirmam que as empresas devem ser responsáveis pela requalificação dos funcionários, mas a maioria também acredita que o governo (68%) e as universidades (65%) devem fazer mais.

No Brasil, os números sobem: 100% dos diretores acreditam que as empresas e o governo são responsáveis e 89% também pontuam as universidades.

Talentos no mercado: A experiência do talentos

A experiência do talento é mais importante agora: 73% dos entrevistados globais acreditam que a experiência do talento é mais importante em um ambiente pós-surto, média percebida também no Brasil, onde 70% concordam com a afirmação; 75% dos líderes mundiais e 90% dos brasileiros acreditam que as expectativas dos trabalhadores em relação aos empregadores estão aumentando continuamente.

Mudança para mais talentos contingentes: Em 2017, 29% dos entrevistados em todo o mundo mudaram de cargos permanentes para temporários, mas esse número caiu a cada ano subsequente, marcando 21% em 2020.

Espera-se, segundo o relatório da Randstad, ligeiro aumento para 22% em 2021. Já no Brasil, o desempenho foi contrário: 20% informaram mudança do tipo de contrato em 2017, com aumento para 22% em 2020 e estima-se aumento para 28% em 2021.

Talentos no mercado: Sobre a Randstad

Fundada em 1960, na Holanda, a Randstad é líder global em solução e consultoria em recursos humanos.

A companhia combina o poder da tecnologia de última geração com o toque humano para oferecer as melhores soluções para cada negócio e para o candidato.

Presente em mais de 38 países e empregando mais de 670 mil pessoas por dia, chegou no Brasil em 2011 e, hoje, tem presença nacional, atendendo todas as regiões do país. http://www.randstad.com.br/.

Leia também – Salário emocional: empresas devem apostar em autonomia e flexibilidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui