O que é e como usar a carta de referência da maneira certa

O que é e como usar a carta de referência da maneira certa
O que é e como usar a carta de referência da maneira certa

Saiba o que deve conter na carta de recomendação e quando pedir na empresa

Ao buscar uma nova oportunidade de trabalho, o profissional pode contar com algumas estratégias que ajudam a chamar a atenção dos recrutadores. Esse é o caso da carta de referência.

Chamada também de carta de recomendação, o documento pode ser solicitado pelo colaborador no momento da rescisão de contrato com uma empresa. Assim, ao se aplicar em uma vaga, o arquivo pode ser anexado e ser utilizado como complemento no processo seletivo.

Mas você sabe como usar da maneira certa a carta de referência? Para te ajudar, conversamos com a Psicóloga e Consultora de Recursos Humanos, Ana Christina Serigatto, que atua há mais de 20 anos na área e nos deu várias dicas. Boa leitura! 

Porque as empresas pedem carta de referência? 

Cada empresa cria o seu processo seletivo de acordo com as informações que quer colher dos candidatos. Uma das etapas pode ser a solicitação da carta de referência. Assim, elas conseguem cruzar as informações do currículo com a carta, e confirmar as qualificações do profissional.

“As cartas de referência e recomendação são ótimas para minimizar as contratações erradas, já que você tem o aval de um profissional, em geral chefes, que já trabalhou e conhece o desempenho do candidato.”, disse a especialista

Ana Cristina divide ainda as cartas em duas etapas:

  • Carta de referência: é aquela que empregador declara o período que o colaborador trabalhou na empresa, por quanto tempo, em qual função, o cargo exercido, a carga horária e demais informações relevantes, como funções específicas. 
  • Carta de recomendação: é o documento que profissional de recrutamento pede a indicação de um superior imediato que possa referenciar em termos de competência, desempenho, relacionamento, comprometimento, diferenciais e o motivo de desligamento da empresa. Além de poder ressaltar projetos de sucesso que o colaborador esteve envolvido. 

Ter uma carta de referência pode me ajudar a conseguir uma boa vaga? 

Para ter sucesso e conseguir uma recolocação no mercado de trabalho, alguns fatores podem te ajudar. Além de ter um bom currículo e investir em cursos de capacitação, estratégias como a carta de referência podem fazer os recrutadores se interessarem pelo seu perfil.

“Ter uma carta de referência com certeza ajuda nas entrevistas. Se você tem uma pessoa que referencia o seu trabalho, isso pode ser somado às outras etapas do processo seletivo.”, disse.

Devo pedir em todos os empregos que eu passar? 

Se você nunca pediu carta de referência em seus empregos anteriores deve estar pensando que cometeu um erro, não é mesmo? A boa notícia é que você não precisa pedir para todos os seus ex-gestores, mas sim para aquelas oportunidades que realmente contribuíram com o seu desenvolvimento profissional.

“Não necessariamente. Você pode pedir aos empregos que já passou quando algum recrutador solicitar. Se você saiu com um bom relacionamento e de maneira harmônica, pode pedir explicando para o antigo gestor qual posição está concorrendo e que esta é uma das etapas que deve cumprir.”, afirmou a profissional de Recursos Humanos.

Quantas cartas de referência eu devo ter? 

Sobre este tema, Ana Cristina explica: “Você deve ter as cartas quando os recrutadores pedirem. Agora, quando você é desligado por redução de custos, você pode solicitar aos gestores. Assim, quando alguém te questionar em alguma entrevista, você tem a comprovação dos fatos.”

Devo anexar a carta de recomendação no meu currículo? 

Estou com a carta de referência em mãos, e agora? Será que devo anexar sempre que enviar um currículo? A resposta é não. O documento deve ser enviado apenas quando o recrutador solicitar.

“A carta não deve ser anexada no currículo. No primeiro momento, o recrutador quer conhecer seu trabalho e sua experiência técnica. Após, é comum eles quererem conhecer o aspecto comportamental. Durante algum momento do processo, o selecionador pode pedir a carta de referência, aí sim você pode enviar.”, concluiu a Psicóloga e Consultora de Recursos Humanos, Ana Christina Serigatto.

O que deve conter na carta de referência? 

Agora que você já sabe da importância da carta de referência em um processo seletivo, que tal aprender quais informações devem ser inseridas no documento? Confira as dicas da nossa entrevistada Ana Christina Serigatto:

  • Dados pessoais do profissional;
  • Os cargos exercidos;
  • As promoções;
  • Desempenho durante a experiência;
  • Como ele se desenvolveu na empresa;
  • Como era o relacionamento com os colegas de trabalho;
  • Se tiver, indicações de outra pessoa da área.
  • Importante lembrar que deve conter o nome, e-mail e telefone do gestor que está fazendo a indicação, caso o RH queira confirmar. 

E aí, gostou de conhecer mais sobre a carta de recomendação? Essa é uma das estratégias que podem te ajudar a conquistar um novo emprego. Outra opção para a carta de referência é o LinkedIn, maior rede social de negócios do mundo. Nele você pode se conectar com seus colegas de trabalho e pedir que eles façam avaliações sobre você. Quer aprender mais sobre o LinkedIn? Então, clique aqui e confira nosso curso completo sobre a plataforma!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui