7 mentiras que já te contaram sobre trabalho freelance 

Principais mitos

De “freelance não é trabalho” a “freelance tem dificuldade para encontrar trabalhos”, Workana listou os principais mitos sobre essa modalidade.

Mitos que vieram abaixo com a pandemia, na qual empresas e profissionais experimentaram o trabalho à distância – e viram que funciona.

Com milhões de pessoas em home office em todo o mundo por causa da pandemia, são muitos os profissionais e empresas que têm repensado modelos de trabalho tradicionais.

Isso porque, nesse longo período de distanciamento social que estamos vivendo, foi possível constatar que a produtividade e o desenvolvimento das pessoas não estão ligados a trabalhar do escritório ou de casa.

E neste novo cenário, o freelance vem ganhando cada vez mais espaço, e vários mitos sobre essa modalidade de trabalho vêm sendo desmentidos. Além desse papo de que o freelance quase não trabalha, a Workana, maior plataforma que conecta freelances a empresas da América Latina, listou outras grandes mentiras que já te contaram sobre esse mercado.

Principais mitos: 1. Freelance não é trabalho

Muita gente associa, erroneamente, o fato de o profissional não ter que ir até um escritório a não estar trabalhando. Mas longe disso!

O freelance apenas se beneficia da internet para trabalhar de onde quiser, seja de casa, de outra cidade, ou até de outro país – que para 75,8% dos freelances foi a razão para escolherem seguir essa carreira -, e da flexibilidade que esse mercado traz, para adequar seus horários de trabalho a quando é mais produtivo.

Principais mitos: 2. Freelance não exige a mesma responsabilidade que o trabalho CLT

Exige até mais! Com prazos muitas vezes apertados para cumprir e a necessidade de gerir o próprio tempo, conquistar e manter os próprios clientes, o freelance é responsável por tudo, desde questões administrativas como emissão de notas, a reuniões com clientes – fora a produção do que foi combinado com o cliente.

No início da carreira como freelance profissional então, será exigido muito mais empenho do trabalho autônomo que do funcionário registrado, porque o freelance precisa aumentar sua rede de contatos, construir uma carteira de clientes, e aprender a lidar com questões burocráticas – já que não tem suporte de um RH, por exemplo, e no máximo conta com serviços de contadores.

Vale lembrar que depois que esses trâmites de começo são concluídos – e compreendidos -, tudo acaba ficando mais fácil e automático, e passa a fluir bem melhor.  Mas trabalho é trabalho, e sempre exigirá responsabilidade dos profissionais.

Principais mitos: 3. É difícil encontrar trabalho

Os números não mentem. Só no ano passado, um milhão de novas oportunidades foram postadas na Workana. No início da pandemia houve sim um aumento no cancelamento de projetos, 45% dos freelances disseram ter perdido trabalhos.

No entanto, esse movimento ocorreu em todos os setores e modalidades de trabalho devido ao congelamento de boa parte das empresas diante do coronavírus, e logo mudou, voltando a favorecer os freelances, que para quase 60% dos empreendedores foram os responsáveis por desenvolver soluções de digitalização das vendas, por exemplo.

Principais mitos: 5. Não estão em constante desenvolvimento por não terem contato direto com outros profissionais

Se isso fosse verdade, 88,8% dos freelances não teriam afirmado que trabalhar nesta modalidade os permite desenvolver a carreira da maneira que desejam.

Muitos freelances são adeptos do conceito Lifelong Learning, que significa atualização contínua, seja sobre a sua própria área de atuação ou quanto a habilidades novas para seguir sempre crescendo e aumentando o leque de oportunidades profissionais.

Principais mitos: 6. Freelancer ganha menos que CLT

Há muitos profissionais freelances que  ganham muito mais que os CLTs. Ao se dedicar ao trabalho, ser produtivo e saber administrar bem suas demandas, o freelance, que ganha de acordo com o que consegue entregar, consegue obter rendimentos superiores ao que teria no trabalho formal, até porque, ao realizar serviços de qualidade, o profissional acaba por conquistar sua base de clientes e ganhar a confiança deles –  justificando assim os preços cobrados – sejam eles quais forem.

Principais mitos: 7. Cliente é a mesma coisa que chefe 

É fundamental ter um bom relacionamento com o cliente, porque vocês trabalharão juntos por um período. Haverá cobranças, mas a diferença é que o freelance pode escolher para quem quer trabalhar e que projetos quer pegar, avaliando se eles valem a pena para sua carreira – financeiramente ou de acordo com o tema. Quando se trabalha no regime CLT não existe essa opção.

Principais mitos: 8. Freelances são solitários 

Só se quiserem. O freelance é o único responsável por seus horários de trabalho, ele pode se adequar para ter mais contato com os amigos, família, filhos, cônjuges, profissionais da mesma área, colegas de academia, gente tem em todo lugar, não há de faltar – mas, durante a pandemia, contato só online.

Principais mitos: Sobre a Workana

Fundada em 2012, a Workana é um marketplace que conecta freelances a empresas e possui atuação em toda a América Latina. A plataforma oferece flexibilidade e agilidade na contratação de profissionais para os projetos cadastrados.

Com oito anos de atuação, a empresa já atingiu a marca de mais de 1,6 milhão de projetos postados na plataforma e possui, atualmente, mais de 3,8 milhões de freelances cadastrados.

Leia também – Pandemia amplia possibilidades para freelancers.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui