FOMO: como 2020 despertou a atenção para uma síndrome ligada à tecnologia

Psicóloga Dra. Ana Gabriela Andriani explica que a síndrome FOMO, ou Fear Of Missing Out, é caracterizada por muita ansiedade e comparação com os outros.

Síndrome FOMO: o que é isso?

A síndrome foi descrita pela primeira vez em 2000. Basicamente, o FOMO é um dos sintomas decorrente do vício em redes sociais e internet. Suas consequências vão desde angústia e tristeza até depressão.

Segundo alguns estudos, essa doença aparece principalmente em jovens e adultos até 34 anos, mas pode afetar pessoas de qualquer idade. De acordo com especialistas, essa angústia social é causada porque a relação dos usuários com a tecnologia ainda é uma novidade.

Síndrome FOMO: ansiedade alta

Já parou para pensar em quantas vezes você checa seu celular por dia, mesmo sem nenhuma notificação? E o por que de fazer isso? A síndrome conhecida como FOMO (Fear Of Missing Out) foi descoberta pela primeira vez em 2000 por Dan Herman e aperfeiçoada anos depois por Andrew Przybylski e Patrick McGinnis como o medo de perder oportunidades e sentir que outras pessoas estão vivendo algo que você não está.

A psicóloga Dra. Ana Gabriela Andriani conta que “essa síndrome é comum em adultos e adolescentes e é caracterizada por muita ansiedade. A pessoa que possui FOMO está sempre conectada à internet e ansiosa para saber onde e o que os outros estão fazendo”.

Síndrome FOMO: vício na internet

Uma pesquisa da Sociedade de Psicologia Australiana mostrou que 51% dos adolescentes ficam muito ansiosos quando não sabem o que seus amigos estão fazendo. Isso significa que, mesmo quando estão em uma roda socializando, eles precisam estar conectados à internet para se sentirem completos.

“Quem tem essa síndrome é uma pessoa que não consegue aproveitar o momento presente. É muito provável que ela seja deprimida, se sinta inferior e incompetente”, explica a psicóloga.

Síndrome FOMO: como 2020 e o isolamento social contribuíram para o aumento da FOMO no Brasil

Por causa do isolamento social mundial causado pela pandemia do Covid-19, as redes sociais se tornaram mais importantes do que já eram para o convívio humano. Por isso, segundo pesquisa recente da Universidade La Salle, nos Estados Unidos, cerca de 50 milhões de pessoas sofrem de Internet Addiction Disorder (Transtorno do Vício de Internet) e isso afeta diretamente os pacientes de FOMO.

“O cenário da pandemia fez com que todos precisassem estar isolados em suas casas e isso causou um grande atrito entre a relação celular x ser humano. As LIVES estão em alta porque mostram, em tempo real, o que cada um está fazendo, mesmo que não estejam fazendo nada. Isso conecta as pessoas entre si para que elas não se frustrem com o seu isolamento”, comenta a especialista.

Dra. Ana Gabriela Andriani é graduada em Psicologia pela PUC-SP e Mestre e Doutora pela UNICAMP, além disso é pós-graduada em Terapia de Casal/Família pelo The Family Institute, Northwestern University – Evanston, IL (USA).

A interrupção digital é um vício que precisa ser trabalhado com ajuda profissional. A FOMO traz uma constante comparação com o outro e um desejo de ter o que o outro tem. “Esse ano está sendo complicado para pacientes viciados em redes sociais. O aumento do diagnóstico se dá não apenas pela quarentena, mas também, pelo desrespeito de alguns ao isolamento. Você estar em casa e o outro não, causa mais angústia e frustração ainda”, finaliza Dra. Ana Gabriela Andriani.

Síndrome FOMO: o que fazer

O primeiro passo é identificar que você tem os sintomas da síndrome FOMO. A partir disso, tentar reduzir o tempo nas redes sociais pode ajudar consideravelmente. Existem aplicativos que sinalizam o tempo que você fica conectado nas redes sociais, baixá-los pode ser um bom guia.

Também é importante praticar atividades que estimulem sua saúde mental. Separamos uma lista de aplicativos para ajudar na saúde mental. Confira lista completa aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui