Pandemia impulsiona uso de Big Data e Inteligência Artificial

Big data

Tendo em vista o potencial da Inteligência Artificial aliada ao Big Data para impulsionar os negócios, não surpreende que muitas empresas se envolvam numa verdadeira corrida contra o tempo.

Em um mundo onde velocidade, agilidade e capacidade de identificar oportunidades podem separar líderes dos demais empreendedores, ficar para trás não é uma opção, ainda mais em meio a uma pandemia.

Big data: Pergunta 1.

Como o Big Data e a Inteligência Artificial podem ser usadas nos negócios, em especial nos digitais?

VB – Até pouco tempo atrás, os métodos e software tradicionais não eram suficientes para o processamento, refinamento e análise inteligente de conjuntos de dados. Mas hoje, conseguimos ter resultados detalhados das áreas, produtos e comportamentos, em questão de horas e até minutos, corroborando para as tomadas de decisões mais ágeis e precisas.

Nos negócios digitais, quanto mais rápida a decisão, maior a possibilidade de acerto e sucesso. Gosto de mencionar o exemplo da Black Friday. Por um curto período de tempo, as lojas virtuais e físicas costumam aplicar grandes descontos e inovar nos modelos de vendas.

Neste momento, Big Data e Inteligência Artificial (IA) entram para somar, por meio de análises específicas de comportamento dos usuários em tempo real, de produtos mais e menos vendidos e, facilitar o atendimento e sanar dúvidas dos clientes.

Com isso, empresa e cliente ganham, tanto na agilidade e rapidez com que as vendas ocorrem, quanto no atendimento ainda mais eficaz e menos burocrático, não deixando de lado a segurança do comprador.

Big data: Pergunta 2.

Quais vantagens essas tecnologias trazem para quem vende e quem compra?

VB – Existem inúmeras vantagens em usar Inteligência Artificial. Veja pelo atendimento ao cliente, onde temos um grande potencial de permitir que as empresas respondam melhor, preocupações e dúvidas, oferecendo o meio de comunicação preferido de cada cliente e soluções automáticas de problemas.

Para os negócios, além de decisões mais assertivas, podemos obter variados insights gerados para ajudar na identificação de novas oportunidades de atuação, além de auxiliar a empresa a se manter inovadora no mercado e gerar novos fluxos de receitas.

Já o Big Data permite oferecer informações chave sobre comportamento, preferências, históricos e, identificar de forma mais precisa o perfil de compra de cada consumidor.

Com tudo isso em mãos, a área de marketing da empresa poderá criar ações personalizadas e específicas para cada público, trazendo mais retorno sobre o investimento em cada campanha.

Também por meio de indicadores gerenciais que apresentam índices de reclamações e nível de satisfação, entre outras métricas, as áreas podem criar planos de ação para atualizar seus serviços, além de antecipar possíveis ameaças ao negócio.

Big data: Pergunta 3.

O que foi testado e aprovado na pandemia, e o que segue mudando no pós-pandemia?

VB – Apesar do triste período trazido pela pandemia, o cenário foi propício para validar e potencializar algumas práticas de IA e Big Data, pois foi identificado um grande aumento de novos compradores nas plataformas de e-commerce, que realizaram a sua primeira compra online, devido a limitação de acesso as lojas físicas.

Ou seja, para esse público tivemos um disrupção de compra. Outro dado muito relevante foi a identificação de um novo comportamento por meio de compras de itens de necessidade básica realizadas às 23h, o que em outros tempos seria entendido como fraude.

Na pandemia, a Inteligência Artificial permitiu utilizar robôs e serviços com inteligência emocional para aumentar a empatia com clientes/consumidores. Podemos dizer que o Big Data e a IA serão cada vez mais utilizadas na busca pelo entendimento de novos padrões de comportamento.

Big data: Pergunta 4.

Qual setor pode potencializar suas ações por meio dessas tecnologias?

VB – Acredito que na saúde. Com essa pandemia, apesar de todas as inovações surgidas, o que tivemos foi apenas uma amostra do potencial que a IA e o Big Data têm dentro dessa área.

Big data: Pergunta 5.

Qual o futuro do comércio por meio dessas e outras tecnologias disruptivas?

VB – Teremos negócios mais eficientes, inteligentes e competitivos, pois contaremos com a possibilidade de ter uma previsibilidade futura baseada em comportamentos passados, ou seja, antever um aumento nas vendas e até mesmo possíveis mudanças de estratégias, tudo de forma antecipada e, principalmente, baseada em números reais.

Big data: Sobre Valdomiro Bilharvas

Valdomiro Bilharvas, CTO da GO.K, empresa de inovação digital Divulgação Anunciattho Comunicação

Valdomiro Bilharvas, CTO da GO.K, consultoria de inovação digital com sede no Brasil e escritório nos Estados Unidos, respondeu algumas questões a fim de esclarecer como essas duas tecnologias poderão auxiliar na retomada da economia dentro do “novo mundo” trazido pela pandemia.

Leia também – Inteligência artificial: a chave para transformar a jornada do cliente.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui