90% das empresas brasileiras em processo de digitização planejam criar mais empregos, revela levantamento do ManpowerGroup

digitização

Pesquisa “Revolução das Competências” ouviu mais de 450 empregadores do Brasil em seis setores da economia.

O ManpowerGroup, empresa de consultoria de soluções de Recursos Humanos, divulgou a nova edição da pesquisa “Revolução das Competências”, que ouviu cerca de 26 mil empregadores em mais de 40 países – incluindo o Brasil – e traz detalhes dos efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre a digitização e as habilidades dos profissionais.

De acordo com o estudo, que ouviu 450 empresários brasileiros, 42% das organizações brasileiras estão acelerando seus processos de digitização e automação devido à pandemia, enquanto 35% suspenderam seus planos.

Simultaneamente, mais empregos estão sendo criados, pois 90% dos empregadores do Brasil que estão passando pelo processo de implementação planejam aumentar ou manter o quadro de funcionários, comparado a apenas 7% que pretendem reduzir os suspender a digitização e automação.

“A pesquisa reforça que a transformação digital está ocorrendo de forma dinâmica, gerando empregos e impulsionando mudanças radicais com o objetivo de melhorar o bem estar dos profissionais e criar um mundo ainda mais conectado.

Os dados mostram que o Brasil não fica atrás dessa tendência e confirmam que, atualmente, todas as empresas precisam estar atentas à revolução tecnológica e aquelas que já estavam progredindo rapidamente antes da pandemia estão ressurgindo mais fortes.

Quem investe mais em digitização, competências de força de trabalho e inovação está aumentando sua participação no mercado e se destaca em relação aos concorrentes”, diz Nilson Pereira, CEO do ManpowerGroup.

O levantamento aponta ainda que 20% dos entrevistados disseram que a pandemia não afetou os planos de digitização e automação.

Os números reforçam que esse é o momento para que organizações encontrem novas formas de fazer as mesmas coisas – ou de realizar coisas novas – enquanto profissionais em exercício e ingressantes se adaptam e passam a dominar a inovação digital para alavancar as oportunidades online com mais rapidez.

Processo de digitização: Tamanho importa

O estudo revela ainda que, no Brasil, 35% das organizações de grande porte estão digitizando e contratando mais, enquanto as microempresas foram as mais afetadas pela Covid-19 e têm mais propensão a suspender os planos de digitização e reduzir o número de contratações, com um indicador de apenas 12%,

Além disso, novas tendências estão surgindo: grandes empresas planejam automatizar funções de produção antes e, em seguida, as áreas de administração, TI e front office. Já as menores estão mais propensas a transformar funções de apoio como, por exemplo, atividades de contato direto com o cliente, finanças, entre outros.

Processo de digitização: De olho nos setores

No Brasil, empregadores dos quatro setores ouvidos na pesquisa estão divididos entre automatizar agora ou deixar para depois.

O levantamento revela que 30% das empresas industriais estão investindo na aceleração da digitização, já o Varejo – um dos segmentos mais afetados pela pandemia – tem 23% de organizações nesse processo. Enquanto 21% das instituições de Finanças, Seguros e Imobiliário investem na transformação digital.

Processo de digitização: O protagonista do RH

Nesse cenário de mudanças, empresas começam a perceber com mais clareza a importância do RH como prioridade do negócio. Em 2018, empregadores não planejavam aumentar as contratações para funções de RH, e alguns estavam dispostos a reduzi-lo.

Dois anos depois, organizações não só estão investindo em mais tecnologia na área, como também estão recrutando mais profissionais – um aumento líquido de 25% no Brasil.

“Esta aceleração do RH mostra que novas competências estão surgindo e que uma nova tecnologia se faz necessária.

A coleta, proteção e análise de dados registram uma alta demanda, e, cada vez mais, líderes de Recursos Humanos abraçam as responsabilidades de saúde, bem-estar e resiliência, planejamento de uma força de trabalho dinâmica e reformulação do local de trabalho, engajamento e ética, requalificação e aprimoramento de competências, e iniciativas mais abrangentes que consideram os funcionários como consumidores”, complementa Nilson.

Com o foco em humanizar cada vez mais as empresas, 66% dos líderes de RH consideram a saúde e o bem-estar dos colaboradores como a prioridade mais importante, em seguida 51% dos entrevistados também acreditam no investimento no aumento do aprimoramento de competências, aprendizagem e desenvolvimento dos profissionais.

Para ver a pesquisa completa, acesse: bit.ly/pesquisa-revolucao-das-competencias-2021

Processo de digitização: Sobre o ManpowerGroup 

O ManpowerGroup® (NYSE: MAN), líder global em soluções de força de trabalho, ajuda as organizações a se transformarem, no contexto de um mundo de trabalho dinâmico, por meio de sourcing, avaliação, desenvolvimento e gestão de talentos que as tornam capazes de vencer.

Desenvolvemos soluções inovadoras para centenas de milhares de organizações a cada ano, oferecendo talentos capacitados e encontrando empregos significativos e sustentáveis para milhões de pessoas em uma ampla variedade de setores e capacidades.

Nossa família de marcas especializadas – Manpower, Experis e Talent Solutions – gera um grande valor para os candidatos e clientes em mais de 75 países e territórios, há mais de 70 anos. Somos consistentemente reconhecidos por nossa diversidade – como a melhor empresa para se trabalhar para Mulheres, Inclusão, Igualdade e Deficiência.

Em 2021, o ManpowerGroup foi indicado como uma das Empresas Mais Éticas do Mundo pelo 12º ano. Tudo isto confirma a nossa posição como a marca preferida dos talentos mais procurados.

Leia também – Estudo da EY aponta principais preocupações do novo modelo de trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui