Ansiedade e preocupações em excesso: quando é a hora de procurar um profissional?

Ansiedade e preocupações em excesso

Setembro foi o mês da conscientização acerca da depressão e ao suicídio, o Setembro Amarelo, mas a luta continua.

Abordagens de pessoas comuns para com pacientes deprimidos são tão ineficientes quanto abordar um paciente asmático durante uma grave crise respiratória e dizer: “Ei, há tanto oxigênio no ar, anime-se, você vai conseguir se tentar”, é o que exemplifica o Farmacêutico Clínico Eduardo Lourenço da Silvaespecialista em Bioética, mestre em Genética, doutor em Farmacologia e professor do curso de Farmácia do Centro Universitário do Distrito Federal (UDF)Instituição que pertence ao grupo Cruzeiro do Sul Educacional.

Ansiedade e preocupações em excesso: Pressões do dia a dia

O profissional avalia que diante das pressões do dia a dia é comum o uso da automedicação por parte de muitos indivíduos, o que em um eventual quadro clínico de depressão não diagnosticado, por exemplo, pode agravar o problema. “Há ainda uma estigmatização de diversos problemas que temos sido expostos por conta de nossa rotina, e principalmente diante desse cenário de pandemia.

A minha orientação é sempre buscar um profissional que esteja autorizado a realizar prescrição de medicamentos, pois a diferença entre o veneno e o medicamento é a dose”, alerta.

O docente do UDF explica que diante de sintomas como ansiedade e preocupação em excesso é preciso ter atenção, diagnóstico e tratamento prescrito. “Constantemente abordagens não cientificamente comprovadas, e isso para qualquer sentimento, como angústia, entre outros, são feitas pelo senso comum. É preciso buscar o diagnóstico adequado a partir de um profissional capacitado e habilitado para tal que indicará o melhor tratamento, que poderá envolver abordagens medicamentosas, psicoterapêuticas, dentre outras”, explica.

Ansiedade e preocupações em excesso: Depressão e diagnóstico

Para Roberta Ladislau, profissional que coordena o curso de Psicologia do UDF, a depressão é caracterizada pela presença de alguns dos sintomas como baixa autoestima, falta de perspectiva para o futuro, apatia, anedonia (não sente prazer para as coisas que sentia antes), alteração no sono (para mais ou para menos), alteração do apetite (para mais ou para menos), falta de energia, isolamento social, dificuldade de concentração e de memória.

“A ansiedade, por exemplo, pode se manifestar com taquicardia, suor nas mãos, tontura, dor de cabeça, sintomas gastrointestinais e pensamentos acelerados. Nem todo mundo apresenta todos os sintomas. Esses critérios diagnósticos são importantes para a identificação do problema e para considerar a necessidade de encaminhamento ao psiquiatra”, contextualiza.

A docente menciona, que é importante separar ainda tristeza de depressão, pois a tristeza é uma emoção que ocorre diante de situações tristes da vida e é completamente normal, enquanto a depressão é uma doença que envolve diversos sintomas, gera dor emocional e pode comprometer o funcionamento do indivíduo.

Roberta enfatiza ainda, que o momento atual de pandemia, por exemplo, é um grande fator de risco para o desenvolvimento de doenças que interfiram na saúde psicossocial do indivíduo e que diante do adoecimento emocional, o ideal é sempre procurar orientação profissional.

Ansiedade e preocupações em excesso: A ansiedade

“O pensamento ansioso tem o poder de fazer a pessoa ficar ruminando situações que já viveu e também de se questionar, especialmente, quanto ao futuro. As pessoas ansiosas sentem-se mais seguras quando seu ambiente é bem previsível, rotineiro e controlado. Quando a ansiedade é mais leve, as pessoas conseguem manejá-la com atividade física, técnicas de respiração e de relaxamento e organização da rotina.

Contudo, quando as circunstâncias mudam, elas podem apresentar mais dificuldades pela falta de controle da situação. Neste caso, a ansiedade fica aguda e é importante avaliar se há presença de sintomas físicos. A psicoterapia será sempre indicada quando o paciente estiver em sofrimento e com dificuldades de manejar sua ansiedade, independente dos sintomas físicos”, explica a psicóloga.

Ansiedade e preocupações em excesso: Tabus sociais

“Ainda temos a minimização do sofrimento psíquico na sociedade, mas acredito que tem existido muitos debates e muitas campanhas de sensibilização sobre a importância da saúde psicossocial. Isso é muito importante para conscientização da população. Sem isso, podemos agir de forma inadequada sem saber e ainda potencializar o sofrimento do outro”, analisa.

A psicóloga argumenta que a pandemia trouxe também muita discussão acerca desses temas, pois todos aqueles que estão seguindo as recomendações de biossegurança, como o isolamento social, e/ou tiveram perdas, de diversos tipos (perdas de entes queridos, de empregos, projetos, comprometimento dos aspectos socioeconômicos entre outros), ficaram mais vulneráveis psicologicamente.

Ansiedade e preocupações em excesso: O isolamento

“Como nós somos seres sociais, ficar em isolamento, ou melhor, em distanciamento social, é muito difícil, mas ainda necessário devido à pandemia. Na minha visão, uma forma muito importante de cuidado emocional é o autocuidado, que muitas vezes, envolve tanto a disciplina de manter uma rotina quanto perceber nossos limites e pedir ajuda.

Quando conseguimos cuidar de nós mesmos e ficamos bem, mantemos a nossa saúde psicológica e, com isso, conseguimos acolher o outro também, nos tornando rede de proteção. E por fim, saliento que, por mais delicada que seja a situação atual em que vivemos, ela vai passar”, enfatiza.

Ansiedade e preocupações em excesso: Sobre o UDF 

Criado em 1967, o Centro Universitário do Distrito Federal (UDF) é a primeira instituição particular de ensino superior da capital do Brasil. Instituição tradicional no ensino de Direito, o UDF conta também com cursos respeitados na área de negócios, da saúde e de tecnologia, além de oferecer cursos de pós-graduação lato e stricto sensu, e programas de extensão voltados à comunidade externa.

Ao todo reúne mais de 16 mil alunos e integra a Cruzeiro do Sul Educacional, um dos mais representativos do País, que reúne instituições academicamente relevantes e marcas reconhecidas em seus respectivos mercados, como Universidade Cruzeiro do Sul e Universidade Cidade de São Paulo – Unicid (São Paulo/SP), Universidade de Franca – Unifran (Franca/SP), Centro Universitário do Distrito Federal – UDF (Brasília/DF, Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio – Ceunsp (Itu e Salto/SP), Faculdade São Sebastião – FASS (São Sebastião/SP), Centro Universitário Módulo (Caraguatatuba/SP), Centro Universitário Cesuca (Cachoeirinha/RS), Centro Universitário da Serra Gaúcha – FSG (Bento Gonçalves e Caxias do Sul/RS), Centro Universitário de João Pessoa – Unipê (João Pessoa/PB), Centro Universitário Braz Cubas (Mogi das Cruzes/SP) e Universidade Positivo (Curitiba, Londrina e Ponta Grossa /PR), além de colégios de educação básica e ensino técnico. Visite: www.udf.edu.br e conheça o Nosso Jeito de Ensinar.

Leia também – Lideranças devem dar o passo decisivo para criar um processo de Alfabetização de Dados nas empresas.

O PraCarreiras e a mentoria de carreiras

O PraCarreiras também faz uma mentoria de carreira, com preparação de currículo, LinkedIn, dinâmica de grupo e ensaio de entrevista de emprego.

Oferecemos soluções completas para que o profissional se posicione de forma adequada nos processos seletivos.

Para conhecer mais sobre os tipos de mentoria de carreira, clique aqui!

Acompanha a gente no Instagram.

Conheça todas as Soluções do PraCarreiras.

Quer falar com a gente? Entre em contato no nosso WhatssApp.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui