Busca pela felicidade pode levar à Depressão

Psicóloga da Unicamp diz que a busca pela felicidade descabida pode levar à depressão e ansiedade.

Crescemos ouvindo histórias que terminam com finais “felizes para sempre”. Como se, depois de superadas todas as adversidades, o caminho adiante fosse apenas um: a tristeza dando lugar à felicidade.

Assim como o príncipe ou a princesa encantada, essa mensagem se apegou ao imaginário social e se transformou em obsessão: nosso objetivo de vida é ser feliz, a qualquer custo.

O problema é que buscamos isso nas motivações erradas, segundo a psicóloga Ana Gabriela Andriani, mestre e doutora pela Unicamp: na comparação com o outro, em dinheiro, posses e sucesso.

Busca pela felicidade: Mas o que é ser feliz?

Mas o que é ser feliz, afinal? A nossa felicidade é a mesma que para outras pessoas? E se não é no dinheiro ou no sucesso, onde a encontramos? “A primeira coisa que precisamos entender é que a felicidade possui uma dimensão objetiva e outra subjetiva.

A primeira se refere às condições da pessoa, ou seja, questões econômicas, de saúde e até do nível de criminalidade e violência do local onde vive. Em resumo, a qualidade de vida que ela tem”, afirma a especialista.

Tudo isso influencia na sensação de bem-estar e, portanto, de felicidade. “Uma pessoa que está em condições financeiras muito difíceis ou que está doente obviamente não se sente feliz.

Quando ela passa a ganhar mais, ter melhor acesso à saúde e educação, sente um maior bem-estar e, consequentemente, fica mais feliz. Isso mostra que questões materiais e de estrutura social e econômica são, sim, importantes para a sensação de felicidade”, diz Ana Gabriela.

Busca pela felicidade: O que a psicóloga afirma

Porém, a psicóloga afirma que esse aumento de bem-estar não é sempre proporcional ao êxito financeiro, por exemplo. Para embasar isso, ela cita o livro “Felicidade”, do economista e filósofo Eduardo Giannetti.

Nele, há pesquisas das últimas décadas que mostram que, a partir de um determinado nível econômico, o ganho financeiro de uma pessoa não mais interfere em sua sensação de felicidade. Como exemplo são citados casos de pessoas que moram em países muito pobres.

Quando essas dificuldades são superadas e elas passam a ter boas condições de saúde e um nível melhor de vida, isso interfere diretamente na sua sensação de bem-estar e de felicidade. Mas, a partir de um determinado nível de ganho – que, as pesquisas sugerem, está em torno de mais de 10 mil dólares por ano – essa felicidade não é mais influenciada pelo dinheiro.

Busca pela felicidade: Felicidade fugaz

Esses dados indicam a existência dessa dimensão subjetiva para a felicidade, que nós não conseguimos definir exatamente qual é. “Vivemos em uma busca incessante pela felicidade hoje em dia. Parece que temos obrigação de sermos felizes, mas a gente não sabe dizer exatamente o que nos faz feliz.

É muito comum associarmos a sensação de felicidade a desejos e conquistas materiais. Acreditamos que, se ganharmos mais ou se compramos uma casa maior, seremos mais felizes. Mas isso é fugaz: essa sensação boa, de quando consumimos algo, é efêmera, não se sustenta ao longo do tempo”, analisa a psicóloga.

Por esse motivo, pessoas consumistas precisam sempre comprar algo novo: é uma tentativa de manter a sensação de bem-estar, já que ela passa muito rápido. Ao relacionar felicidade a falta de sofrimento e tristeza ou ter muitos bens materiais, geramos mais depressão e ansiedade do que boas sensações.

Busca pela felicidade: Viver e não ter a vergonha de ser…triste

Achamos que não podemos estar tristes: temos que ser, o tempo todo, felizes, motivados, com alta performance e não podemos passar por momentos de desmotivação, tristeza, frustração ou reflexão.

Segundo Ana Gabriela, esse é um dos motivos pelos quais mais se observa um aumento no consumo de antidepressivos e ansiolíticos. “A frustração tem a ver com o descompasso que existe entre o que a gente sonha e o que é possível fazer na realidade.

Pensamos que o mundo sempre se encaixará perfeitamente ao que queremos. E isso não é verdade: essa falta de vazios e de frustrações não é possível”, diz.

Como exemplo do prejuízo que essa ideia pode trazer às nossas vidas e aos dos que nos rodeiam, a psicóloga cita os pais superprotetores, que tentam fazer com que os filhos não entrem em contato com as frustrações.

“Isso é um prejuízo para a criança, porque a vida, no geral, terá muitas faltas, sensações de incompletude, e, se ela não conseguir viver com isso, persistir e lutar pelo que quer, poderá cair numa situação de frustração paralisante e mais depressiva, já que não terá aprendido a lidar com esse sentimento.”

Busca pela felicidade: O outro e as redes sociais

Outro erro é desejar ser feliz da mesma maneira que os outros. E as redes sociais têm grande peso nesse equívoco: consumimos relatos de ostentação como meta de felicidade, imaginando que, se tivermos o emprego daquela pessoa, as roupas ou as posses iguais às dela, seremos mais felizes.

“Isso também é muito prejudicial, porque há sempre uma comparação com o outro – e as redes estimulam muito essa comparação – mas o que é postado no Instagram ou no Facebook é o retrato de momentos de felicidade, de conquistas ou de prazer, não a rotina.

Então, a tendência é achar sempre que está aquém e que é menos que o outro. Mas isso vai sempre acontecer: a gente nunca vai ser igual ao outro, sempre existirá alguém que tenha mais ou que é algo a mais do que a gente. Ficar nessa busca por ser igual a alguém é muito prejudicial”, afirma a especialista.

Busca pela felicidade: Felicidade nos pequenos momentos

Tudo isso indica que não seremos nunca felizes? Não, claro que não. Mas é preciso desmistificar o que é a felicidade e que ela é permanente, quando na verdade é um estado, em geral, momentâneo.

É comum pensarmos que, ao fazer uma viagem ou iniciarmos um novo trabalho, encontraremos a felicidade. É a ideia equivocada do “felizes para sempre”, o lugar mágico onde não existem mais problemas.

“Gosto de uma frase do Guimarães Rosa em que ele diz ‘Felicidade se acha em horinhas de descuido’. Acho que ele dá dicas importantes para a gente quando fala sobre isso, porque está dizendo que nós vivemos momentos de felicidade e que, além de serem momentos, ou seja, não ser uma sensação permanente, muitas vezes descobrimos que estamos felizes ou temos a sensação de bem-estar quando menos esperamos ou quando não está planejado”, afirma Ana Gabriela.

Devemos, então, aceitar a felicidade como um momento e não um estado constante – e aproveitar isso. Estar de acordo com seus valores também pode proporcionar bem-estar. E chegar a um entendimento de nós mesmo também é um jeito de ser feliz.

“No trabalho de psicoterapia, quando entendemos quem somos e o sentido do que estamos fazendo, dá muita sensação de bem-estar.

A dimensão subjetiva da felicidade tem a ver com o modo como você sente a sua vida, como você se relaciona com ela e seus afetos, e como faz suas escolhas. A felicidade é algo que acontece dentro da gente”, finaliza.

Leia também – Felicidade no trabalho é possível? SIM!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui