Como conseguir um emprego: dicas para aumentar suas chances em 56 vezes

61
conseguir um emprego
Foto: Pixabay / Pexels

Tudo bem que 2020 ainda está só começando, mas você pensa em terminar o ano com um emprego incrível? Pois é, o Linkedin é uma ferramenta maravilhosa para ajudar com isso – inclusive aumentando 27 vezes a sua chance de conseguir um emprego. 

Para entender melhor como isso funciona, contamos com a ajuda de Ana Carolina Okubo, especialista em marketing digital, fundadora do PraCarreiras e professora do curso LinkedIn: o seu perfil do zero. Confira as suas dicas abaixo, mas nós podemos adiantar: se você ainda não tem um perfil atualizado no LinkedIn… está perdendo tempo!

1.Tenha um perfil completo

Ana explica que existe todo tipo de processo seletivo na plataforma – o próprio LinkedIn conta que já viu até para mágicos. Por isso, a principal conversa quando o assunto é a rede social é em relação à forma como ela é usada. O primeiro e principal erro é o seu perfil estar incompleto por lá. 

Isso significa: poucas informações, sem foto, sem as suas competências e experiências de emprego detalhadas. Ou seja, é muito importante olhar para o seu perfil com carinho e tentar deixá-lo o mais completo possível – e atualizado!

2.Foque no “perfil campeão”

Um outro ponto importante já que estamos falando do seu perfil na rede: busque chegar na categoria perfil campeão. “Um perfil com a classificação de campeão tem 40 vezes mais chances de ser chamado para uma entrevista de emprego”, explica Ana. 

Mas como saber se você chegou lá? Fácil, é através do seu próprio painel de perfil do usuário. Caso você esteja nessa categoria, verá uma estrela com a palavra “Campeão” do lado direito do painel. 

E para isso, tudo o que você precisa fazer é tentar preencher o seu perfil o máximo possível com informações relevantes. Cursos que você têm feito, experiências de trabalho ou estágio, trabalho voluntário, línguas que domina… enfim, tudo o que for necessário para que os recrutadores saibam quem você é o que você faz. Basicamente, é a mesma coisa que você faria em um currículo tradicional. 

3.Invista no networking

Já comentamos mais de uma vez como o networking é importante no LinkedIn. Na verdade, a plataforma não deixa de ser uma rede social, por isso, é importante reservar um tempo do seu dia para interagir com outros perfis e conteúdos que encontra por lá. 

Ah, e não ache que só curtir as postagens alheias funciona. Ana chama esse tipo de usuário de “usuário fantasma”. “Tem muita gente que se cadastra no LinkedIn, chega ao status de perfil campeão, mas nunca interage com ninguém, ou no máximo sai curtindo todo mundo. Não é isso. Para um bom relacionamento, você precisa postar conteúdos, compartilhar matérias, escrever artigos e fazer comentários relevantes nos posts de outras pessoas”, diz.

4.Foque na sua área de atuação

Quando o assunto são competências, Ana explica que o mais importante é focar naquelas que têm alguma ligação com a área em que você trabalha. Por exemplo, alguém que trabalha em T.I. deve deixar claro os tipos de sistema, programação e códigos que conhece. 

“A melhor forma de saber medir as competências que estão em alta para o seu nicho é buscar vagas de emprego da sua área. Preste atenção quais são as competências que mais aparecem na divulgação da vaga (habilidades, conhecimentos técnicos, tipos de experiência, idiomas, etc)”, explica ela. 

É essencial você prestar atenção nas competências que coloca no seu perfil justamente porque é isso que ajuda a aumentar as suas chances de conseguir um emprego pelo LinkedIn – em até 13 vezes! “O motivo é simples: uso de palavras-chaves. Os recrutadores não vão ler todos os currículos que se cadastram em uma determinada vaga. Isso seria insano. O que eles fazem é usar uma ferramenta que filtra palavras-chaves ou competências”, explica.

Na prática, funciona da seguinte maneira. Vamos supor que um recrutador está procurando um analista de marketing digital. Ele vai até a ferramenta e diz para ela filtrar candidatos que tenham em seu perfil palavras como “inglês”, “google analytics”, “facebook ads”, “criação de campanhas online”, “análise de resultados”, etc. Quanto mais palavras você tiver dentro dessas que foram filtradas, mais chances o seu perfil tem de ser analisado por um recrutador.

5.Peça (e dê) recomendações

Outro ponto importante: recomendações. No LinkedIn é possível receber e dar depoimentos sobre a experiência que você teve ao trabalhar com alguém. E isso é muito importante porque dá autoridade para o seu perfil e deixa mais claro o tipo de pessoa que você é. 

“Se o recrutador tiver dúvidas sobre suas habilidades e soft skills, ele se sentirá mais seguro lendo suas recomendações, que nada mais são do que depoimentos positivos de pessoas que já trabalharam com você”, diz Ana. Perfis com recomendações costumam ter até 3 vezes mais chances com os recrutadores. 

E para conseguir recomendações… é só pedir! Mas seja profissional. Mande uma mensagem personalizada para quem já trabalhou com você, coloque-se disponível para ajudá-la no que for preciso e explique o quanto seria positivo ter um feedback público daquela pessoa sobre o seu trabalho. O ideal é que as recomendações sejam, sobretudo, sinceras. 

Bônus: preencheu seu perfil? Olhe de novo!

Para Ana, o ponto principal sobre o LinkedIn é e sempre vai ser a forma como você preenche o seu perfil. No curso LinkedIn: o seu perfil do zero, ela ensina uma série de truques para deixar a sua página ainda mais chamativa para os recrutadores. 

Ainda assim, reforça que o importante mesmo é preenchê-lo da maneira mais completa possível. “O grande segredo está em como preencher cada seção do seu currículo, como abordar recrutadores de forma eficiente e como se relacionar na rede”, finaliza. 

Em resumo, se você precisa de apenas duas palavras para determinar como aumentar as suas chances de conseguir um emprego pela rede, essas palavras são “relacionamento” e “perfil campeão”. Dedique um tempo ao seu perfil e ao networking dentro da rede e tenha certeza que, até o fim do ano, o emprego dos sonhos será seu.